Mercado de trabalho: Contratações apresentam queda de 11% no primeiro trimestre

Economia


6/5/2021 - Com as empresas trabalhando com um quadro de funcionários cada vez mais enxuto, devido à crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a situação está ainda mais difícil para o trabalhador tupãense encontrar uma vaga no mercado de trabalho formal.
Segundo dados do Caged (Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados) do governo federal, o número de contratações em Tupã apresentou queda de 11,7% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período do ano passado.
O levantamento destaca que entre os meses de janeiro a março de 2020 foram contratados com carteira assinada, em Tupã, 1.736 trabalhadores. No mesmo período deste ano, foram 1.533 – uma redução de 203 empregos.
No primeiro trimestre deste ano, apenas dois setores ampliaram suas oportunidades de trabalho, aumentando o número de contratações: a construção civil e a indústria.
O Caged destaca que o setor da construção civil aumentou em cerca de 15% o número de contratações, passando de 47 admissões no primeiro trimestre de 2020 para 54 no mesmo período deste ano.
A indústria tupãense, que contratou 316 funcionários no primeiro trimestre de 2020, apresentou aumento de 10,4% no número de contratações no mesmo período deste ano, encerrando o primeiro trimestre com 349 admissões.
O comércio apresentou queda de 6,7% nas contratações, passando de 535 no primeiro trimestre de 2020 para 499 no mesmo período deste ano.
As contratações no setor da agropecuária tiveram queda de 17%, passando de 152 admissões no primeiro trimestre de 2020 para 126 no mesmo período deste ano, e o setor de serviços teve queda de 26%, com redução de 686 admissões no primeiro trimestre do ano passado para 505 contratações no igual período deste ano.

Demissões

Já as demissões apresentaram queda de 12,36% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período de 2020, passando de 1.553 desligamentos entre os meses de janeiro a março para 1.361 no igual período deste ano.
O setor da construção foi o que mais demitiu funcionários em termos percentuais, passando de 51 desligamentos no primeiro trimestre de 2020 para 64 no mesmo período deste ano, com aumento de 25,5%.
A indústria apresentou aumento de 4% nas demissões, passando de 272 no primeiro trimestre de 2020 para 284 no igual período deste ano.
As demissões realizadas no setor do comércio tiveram queda de cerca de 15% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2020, passando de 537 desligamentos entre janeiro a março do ano passado para 457 no igual período deste ano.
Na agropecuária os desligamentos apresentaram redução de 16%, passando de 37 no primeiro trimestre de 2020 para 31 no mesmo período deste ano.
O setor de serviços foi o que menos demitiu, segundo o comparativo do período analisado. Os desligamentos tiveram queda de 20% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período de 2020. Foram 656 demissões entre janeiro a março do ano passado e 525 no mesmo período deste ano.

Vagas

Cabe ressaltar que o número de vagas oferecidas pelas empresas tupãenses ainda é limitado a poucos setores. Segundo dados do PAT (Posto de Apoio ao Trabalhador) informados na última segunda-feira, dia 3, das 43 vagas de trabalho disponíveis, cerca de 60% estavam destinadas para o setor de mecânica, máquinas e solda (13 vagas) e motorista de veículos pesados (14 vagas).

Sua notícia

Esta área é destinada para o leitor enviar as suas notícias e para que possamos inserí-las em nosso portal. Afim, da população ter informações precisas e atualizadas sobre os mais variados assunto

Envie a sua notícia por e-mail:

Todas as notícias

publicidade