Ronaldo dá adeus ao Real, é comprado por R$ 450 mi e assina por 4 anos com a Juve

Esportes


Turim (AE) - A novela sobre o destino de Cristiano Ronaldo finalmente teve um fim ontem, e com uma nova casa para o craque português. Depois de nove temporadas vestindo as cores do Real Madrid, o astro de 33 anos foi confirmado como novo reforço da Juventus, naquela que pode ser considerada a principal transação do futebol mundial nos últimos anos.
A confirmação do acordo veio inicialmente por meio de comunicado oficial divulgado pelo clube espanhol. “O Real Madrid comunica que, atendendo a vontade e pedido expressados pelo jogador Cristiano Ronaldo, acertou sua transferência para a Juventus. Hoje, o clube quer expressar seu agradecimento a um jogador que demonstrou ser o melhor do mundo e que marcou uma das épocas mais brilhantes de nossa história”, apontou.
Após o comunicado do Real, foi a vez de o clube italiano oficializar a negociação por meio de nota publicada em seu site. O valor da transferência será de 100 milhões de euros (cerca de R$ 450 milhões), a ser pago em duas parcelas, e o tempo de contrato foi firmado em quatro anos, até junho de 2022. 
A Juventus também informou que vai arcar com custos que somam 12 milhões de euros (cerca de R$ 54 milhões), por encargos financeiros e por causa do mecanismo de solidariedade da Fifa para remunerar clubes formadores. O porcentual de 5% deverá ser dividido entre Sporting e Manchester United, porque foram as equipes onde o português jogou dos 12 aos 23 anos.
Cristiano Ronaldo vai deixar o Real Madrid após nove temporadas. Em junho de 2009, o presidente Florentino Pérez cumpriu promessa de campanha, após eleição para voltar ao cargo do clube, e fechou contratação do português por 94 milhões de euros (cerca de R$ 256 milhões na cotação da época), valor pago ao Manchester United.
Mesmo após enfrentar um período de domínio do Barcelona, em especial até 2011, quando o clube catalão ganhou o último título de Liga dos Campeões da Europa sob o comando de Pep Guardiola, Cristiano Ronaldo se impôs no Real Madrid e foi eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa quatro vezes desde 2009 (2013, 2014, 2016 e 2017).
Os rumores sobre a ida de Ronaldo para a Juventus já vinham ganhando força desde o fim da última temporada europeia. Após uma breve esfriada durante a Copa do Mundo, se intensificaram novamente após a eliminação de Portugal da competição na Rússia e, desde então, a imprensa da Europa dava como questão de tempo a confirmação.
De acordo com os veículos midiáticos do continente, a contratação poderia ter sido anunciada até antes, se não fosse o fato de Ronaldo sair de férias após a Copa. Isso obrigou o presidente da Juventus, Andrea Agnelli, a viajar para a Grécia, onde se encontrou com o craque para discutir os últimos detalhes da transação.
O acerto com o Real Madrid foi encaminhado nos últimos dias e selado ontem. O clube espanhol cumpriu a promessa de não dificultar a saída do atacante, após pedido do próprio português, que teria se sentido desvalorizado por algumas atitudes da direção do clube espanhol nos últimos tempos.
Prova deste entendimento entre as partes foi a redução do valor da multa rescisória do jogador por parte do Real, noticiada pela imprensa espanhola no fim do mês passado. O agente do astro, o português Jorge Mendes, chegou a falar: “Se ele (Ronaldo) sair, será eternamente grato ao clube”.

A parceria entre Ronaldo e Real foi bastante vitoriosa e benéfica para ambos os lados. O jogador chegou ao clube em 2009 após ter sido eleito o melhor jogador do mundo no ano anterior vestindo as cores do Manchester United, mas só atingiu seu auge no time espanhol. De lá para cá, ganhou o prêmio de melhor do mundo em mais quatro oportunidades - 2013, 2014, 2016 e 2017 - e se estabeleceu como um dos grandes da modalidade em todos os tempos.
Por outro lado, Ronaldo liderou o Real a uma das fases mais vitoriosas de sua rica história. Foi liderado pelo craque que o clube faturou o sonhado décimo título da Liga dos Campeões, em 2013/2014, e repetiu o feito nas últimas três edições - 2015/2016, 2016/2017 e 2017/2018 - ampliando sua hegemonia no continente. A parceria ainda foi responsável por dois títulos espanhóis, dois da Copa do Rei, dois da Supercopa da Espanha, dois da Supercopa da Europa e três do Mundial de Clubes.
Na Juventus, Ronaldo terá o novo desafio esportivo que tanto buscava, com a responsabilidade de tornar a hegemonia nacional do clube em resultados expressivos a nível europeu. Se vem de sete títulos italianos consecutivos, o time de Turim não fatura uma Liga dos Campeões desde 1995/1996 - a outra de sua história aconteceu em 1984/1985.

Sua notícia

Esta área é destinada para o leitor enviar as suas notícias e para que possamos inserí-las em nosso portal. Afim, da população ter informações precisas e atualizadas sobre os mais variados assunto

Envie a sua notícia por e-mail:

Todas as notícias